Professor Doutor Norberto Jaime Rego Canha (1929 – 2024)

Nascido há 94 anos (18 de agosto de 1929) em Alfândega da Fé este transmontano de vontade inquebrantável e sonhador, veio para Coimbra frequentar a sua Universidade e a sua Faculdade de Medicina.

Aqui chegado não se cingiu aos estudos tendo-se empenhado noutras facetas da vida académica, envolvendo-se nas diversas comissões de curso, na Comissão central da Queima das Fitas e na Associação Académica de Coimbra. Esta grande intervenção não o impediu de estudar de tal forma que foi o melhor aluno do curso.

Terminado a licenciatura ficou radicado em Coimbra, desenvolvendo as suas atividades clínicas e docentes na Faculdade de Medicina de Coimbra e nos Hospitais da Universidade de Coimbra, junto do seu grande Mestre, o Professor Fernando Serra de Oliveira, um dos pioneiros da Ortopedia em Coimbra, e autor da primeira tese de doutoramento sobre temas da Ortopedia, que motivou o jovem Canha para o estudo dos linfáticos, tema com que se doutorou, bem como posteriormente para os problemas da Ortopedia.

Percorreu todos os degraus académicos e da carreira médica, atingindo em ambos os lugares de topo.

Irrequieto e generoso, não deixou de dar o seu contributo na Guiné, onde ainda hoje é sobejamente conhecido e, em Moçambique.

Regressado de Moçambique empenhou-se no seu Hospital, e na melhoria das suas condições assistenciais tanto nas instalações dos Colégios de S. Jerónimo e das Artes, como em Celas.

Eleito Presidente do Conselho de Gerência dos Hospitais da Universidade de Coimbra, foi durante o seu mandato que se procedeu à mudança das instalações antigas para o então novo edifício, bem como através da sua visão pioneira à implementação de novas especialidades como serviços em instalações autónomas como a Cirurgia Vascular, a Cirurgia Cardiotorácica.

Nessa mesma ocasião exerce as funções de Presidente da SPOT (1985-1986)

Na sua Ortopedia deu-lhe um dinamismo nunca visto por esta região transformando-a num Serviço com reconhecimento nacional e internacional.

Muitos dos ortopedistas no ativo puderam beneficiar das suas ideias e dos seus ensinamentos.

Depois de jubilado não deixou de lutar pelo tratamento da filaríase, doente para a qual pensava ter uma resposta eficiente. Foi vê-lo organizar a Missão Catimbó e ir operar para a Guiné-Bissau com o Cirurgião Plástico Dr. Celso Cruzeiro, mesmo depois de ultrapassar os 90 anos de idade. A sua energia parecia inesgotável.

Desapareceu o homem, terminando um ciclo! Fica a sua memória e os seus ensinamentos.

Bem haja Professor Canha.

Até sempre