Webinar da AEPOT reúne centenas de enfermeiros na discussão da integração dos cuidados de Enfermagem nas ULS

O 1.º webinar da Associação de Enfermeiros Portugueses de Ortopedia e Traumatologia (AEPOT) decorreu no dia 26 de fevereiro, subordinado ao tema “Integração dos Cuidados de Enfermagem à Pessoa com Compromisso Ortotraumatológico nas Unidades Locais de Saúde (ULS)”, e contou com a participação de mais de 200 enfermeiros.

O webinar iniciou-se com a intervenção de Carmen Queirós, presidente da AEPOT, que agradeceu o interesse e participação na iniciativa, reiterando que “sem a presença dos enfermeiros, teríamos muita dificuldade em cultivar e fazer chegar aos nossos clientes os cuidados de excelência que todos nós gostaríamos de ver ser desempenhados”. A presidente da associação também deixou os seus agradecimentos à Sociedade Portuguesa da Ortopedia e Traumatologia (SPOT), pelo apoio institucional, logístico e organizacional, e aos palestrantes da sessão, a Enf.ª Edite Brito e o Enf. José Ribeiro.

Edite Brito, enfermeira diretora da ULS Barcelos-Esposende, apresentou a sessão “Contratualização nas ULS: Desafios à Integração de Cuidados”, oferecendo uma contextualização e enquadramento legal da criação das ULS, assim como os termos de contratualização e as áreas em que a Enfermagem pode estar espelhada. Um dos pontos realçados foi a importância do Plano Local de Saúde para as ULS, no sentido de se organizarem esforços para realmente atuar nas necessidades da população que cada unidade serve. De acordo com a profissional de saúde, o grande desafio para a Enfermagem e para os serviços relacionados com o doente ortotraumatológico passa por criar cuidados centrados no cidadão e nas suas necessidades. Torna-se imperativo perceber qual é o percurso do utente e tornar os cuidados sustentáveis, eficazes e eficientes. Surge uma preocupação com cuidados que garantam uma ação coordenada entre diversos atores, ultrapassando barreiras e burocracias na transferência de doentes entre níveis de cuidados.

Por outro lado, o enfermeiro José Ribeiro Nunes, da ULS Tâmega e Sousa, apresentou o tema “Contratualização com Indicadores em Enfermagem – realidade ou utopia? Visão das instituições na contratualização”, focando-se nos moldes de participação dos enfermeiros, neste novo modelo. O enfermeiro reiterou a passagem de um foco na produção (quantidade) para a qualidade, eficiência, eficácia e satisfação dos utentes e dos profissionais de saúde. “Se apostarmos fortemente numa boa governança clínica, que se interligue com a gestão de carreira e com a gestão de talentos, teremos as condições para a enfermagem ter um foco no doente, ser promotora de acesso e criar efetivamente valor”, afirmou. Alguns dos fatores críticos de sucesso dentro das ULS, abordados por José Ribeiro Nunes, dizem respeito a bons sistemas de informação, que consigam monitorizar os doentes e intervir na prevenção de forma proativa, e a desenhar percursos clínicos que garantam um acompanhamento do doente.

João Gamelas, presidente da SPOT, também marcou presença no evento, aproveitando para demonstrar o seu entusiasmo com a quantidade de enfermeiros presentes na iniciativa. “Esta é a prova de que a SPOT está recetiva e colaborante. Os enfermeiros que trabalham connosco são fundamentais para os doentes e para a sociedade em geral. Este é o princípio de um caminho que vamos fazer juntos, reforçando e criando ainda mais sinergias e contactos”, comentou João Gamelas.

No final das palestras, abriu-se espaço para a realização de um Q&A e debate do tema, abordando-se, nomeadamente, o facto de os objetivos para as ULS estarem mais centrados nos médicos e não tanto na Enfermagem e, também, a ausência de uma abordagem inovadora e dinâmica da prevenção primária, continuando muito centrados no tratamento.