10.º webinar da SPOT discute o papel da Inteligência Artificial na Ortopedia

10.º webinar da SPOT discute o papel da Inteligência Artificial na Ortopedia

No dia 7 de fevereiro decorreu o 10.º webinar da SPOT, subordinado ao tema “Artificial Intelligence in Orthopaedis”. A sessão, organizada por Pedro Diniz e Nuno Sevivas, contou com a presença de profissionais de várias áreas e de diferentes países.

Pedro Diniz iniciou a sessão deixando um agradecimento especial aos patrocinadores deste webinar – Johnson&Johnson e PeekMed – e divulgando o projeto de investigação a ocorrer em parceria entre a SPOT e PeekMed. O presidente da SPOT, João Gamelas, também deixou um agradecimento a todos os que participaram no evento, assim como aos responsáveis pela organização do mesmo, mostrando o seu entusiasmo em ouvir a partilha de ideias e opiniões sobre o “hot topic” do momento.

Mário Figueiredo, professor no Instituto Superior Técnico, começou por oferecer uma contextualização das definições, história e construção da Inteligência Artificial (IA), mostrando como estas ferramentas conseguiriam automatizar muitas tarefas da área da Medicina como, por exemplo, identificar se uma lesão na pele é benigna ou maligna.

Job Doornberg partilhou com a audiência algumas das ferramentas de IA que o hospital onde exerce funções, University Medical Centre Groningen, nos Países Baixos, tem vindo a aplicar no quotidiano. Referiu o sistema de comunicação online usado com os doentes, no qual o ChatGPT gera a resposta e os médicos têm de dar apenas um pequeno ajuste. Para Doornberg, a principal vantagem da IA é permitir aumentar a eficácia do trabalho dos médicos.

A sessão contou, ainda, com a presença do juiz Joaquim Martins, que enriqueceu a discussão ao trazer para o debate as implicações éticas, legais e sociais do uso da IA na Ortopedia. De acordo com o juiz, “há uma necessidade de regular o uso de IA, especialmente em áreas onde o seu uso pode ter um impacto perigoso e negativo, como é o caso da aplicação de IA na Medicina”.

Por último, Jacoblen Oosterhoff, professora na Delft University of Technology, divulgou a técnica que utilizou para treinar as ferramentas de IA a fazer uma separação de uma população de pacientes, em alto e baixo risco, complementando a contextualização teórica dada por Mário Figueiredo. A professora elogiou a presença de profissionais de diversas áreas, acreditando que é fundamental as áreas de Medicina, ética, tecnologia e engenharia trabalharem em conjunto para garantir a correta aplicação da IA no contexto da saúde.  

No fim do webinar abriu-se espaço para questões e discussão das palestras.